Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Relembrando Grandes Nomes do Rádio: Paulo Roberto
26/10/2020 00:37 em Novidades

Considerado um dos mais empáticos comunicadores da história do rádio brasileiro, o locutor – e médico obstetra – Paulo Roberto construiu uma carreira marcada por programas criativos e populares, notadamente na Rádio Nacional. Paulo Roberto chamava-se, na verdade, José Marques Gomes. Nasceu na cidade de Dom Silvério (antiga Saúde) em Minas Gerais no dia 10 de setembro de 1903. Dividindo seu tempo entre a Medicina e o Rádio, trabalhou no Programa Casé, na Rádio Philips, ainda na década de 1930. Dono de uma voz agradável e simpática, fazia uso de uma prosódia assaz coloquial e inovadora para a época. Nos anos seguintes, após sua experiência com Ademar Casé na PRA-X, labutou na Rádio Cruzeiro do Sul (onde ocupou o cargo de Diretor Artístico) e na Rádio Tupi.

Profissional criativo, Paulo Roberto tinha o ser humano como foco principal de suas produções e não escondia sua preocupação em relação à qualidade dos programas. Ganhou imensa projeção nos anos em que fez parte do casting da Rádio Nacional, apresentando programas como “Nada Além de Dois Minutos” (no qual Paulo Roberto dispunha de apenas 120 segundos para discorrer sobre os mais variados assuntos), “Vamos Viver a Vida”, “A Lira do Xopotó” e “Gente Que Brilha”. Outro programa de grande destaque criado por Paulo Roberto foi “Obrigado Doutor”, rádio série que somou respeitáveis 314 episódios e cujo sucesso deu origem ao filme homônimo (lançado em 1948) e a uma série de televisão transmitida pela Rede Globo em 1981 (com Francisco Cuoco no papel do médico Rodrigo Junqueira). Na segunda metade da década de 1960, após um longo período afastado dos microfones pelo AI-1 – publicado logo após a instauração do Regime Militar no país –, Paulo Roberto trabalhou em emissoras de TV e na Rádio Mec, onde fez parte do Projeto Minerva e apresentou seu último programa, “O Nosso Domingo Musical”.

Paulo Roberto faleceu na madrugada de 13 de fevereiro de 1973, vítima de infarto, aos 69 anos de idade. 

COMENTÁRIOS
Vintage Educação