Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Relembrando Grandes Nomes Do Rádio: Carlos Palut
13/06/2020 18:26 em Novidades

Carlos Palut nasceu no dia 06 de dezembro de 1927 e, desde muito cedo, manifestou seu talento para a Comunicação – tanto que, aos 12 anos, fez a sua estreia no rádio apresentando o “Programa da Petizada”, atração por ele criada. Anos depois, na época em que labutou na Rádio Guanabara, conheceu a radioatriz Alba Regina, com quem se casou em junho de 1949. Pessoa de temperamento inquieto, Carlos Palut ocupou diferentes funções no universo do rádio, como contrarregra, produtor, radioator, sonoplasta, diretor artístico e diretor de broadcasting, chegando a substituir comunicadores consagrados da época, como Celso Guimarães, Paulo Gracindo, Manoel Barcelos e Ary Barroso – isso sem mencionar a Caixa Econômica Federal, onde exerceu a função de tesoureiro.

Profissional extremamente criativo, Carlos Palut inovou ao convencer Gagliano Neto, então diretor da Rádio Continental, a autorizar a realização da primeira cobertura do Carnaval, em 1951 – um grande sucesso que catapultou a audiência da emissora, colocando-a de igual para igual em relação à poderosa Rádio Nacional e conferindo-lhe maior amplitude de ação. A partir daí, Carlos Palut desenvolveu o conceito de “prestação de serviço no rádio”, levando a Continental a cobrir os mais diferentes acontecimentos, de feiras livres a acidentes de toda a sorte, interrompendo a programação normal quando necessário e mantendo a matéria no ar desde o seu início até a sua conclusão, quando o repórter de rádio – função que passara a existir somente na década de 1950 – anunciava o retorno aos estúdios da emissora. Tanto esforço e dedicação renderam a Carlos Palut o reconhecimento por parte do público e dos profissionais do Meio, sendo agraciado por premiações como Melhor Repórter Radiofônico pela Revista do Rádio em 1956, e Melhor Repórter de Televisão em 1962.

Desprendido de dinheiro e outros bens materiais, Carlos Palut morreu pobre no dia 23 de dezembro de 1972, vítima de um AVC aos 45 anos de idade. 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Vintage Educação